"A vida é aquilo que você faz daquilo que te fizeram"

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Colocando em palavras o intraduzível: Os dois mundos


Uma montanha russa não faz sentido por si só, não nos leva a lugar algum e não passa de um trajeto circular cheio de altos e baixos, viradas bruscas e surpresas assustadoras. Nunca podemos prever o quão grande será a próxima queda e o que nos espera na próxima curva.

Se permanecemos durante muito tempo a bordo de uma montanha russa, ela deixa de ser divertida ou assustadora e passa a ser angustiante. Aos poucos você decora seu trajeto, mas isso não te deixa aliviado de forma alguma, ao contrário. Você tem plena consciência para onde está indo e onde irá parar, porém a ausência de controle sobre sua própria vida te destrói por completo. Chega um dia que aquele carrossel se torna tão insuportável que você começa a se perguntar quando decidiu ali embarcar, o maldito dia que colocou os pés naquele vagão para nunca mais sair. Não existe respostas, não existe saída, objetivos ou coerência. Tudo não passa de altos e baixos, curvas bruscas e violentas sem sentido.

Agora imagine que exista dois mundos, o interno e o externo. Imagine que seu mundo interno seja essa vida a bordo de uma montanha russa sem fim e que seu mundo externo seja como o de todo mundo. Porém há um problema, esses dois mundos estão totalmente desconectados, o que acontece no mundo interno não se reflete no externo e vice versa, sentimentos estão não só fora de sintonia com a realidade, quanto estão de tamanhos desproporcionais e intensidades ilógicas. No mundo externo faz Sol e tudo vai bem, no interno você está em plena queda livre e assim por diante. Não há saída, não há forma alguma sincronizar os dois mundos, sua existência se resume na loucura que é viver duas vidas opostas e incoerentes e tentar trazer um pouco de racionalidade a tudo isso, não existe respostas fáceis, o choque dos dois mundos te prejudica, te atrasa, te machuca, te torna dependente, frágil, assustado e incapaz. Além de tudo você precisa disfarçar a existência quebradiça desses dois mundos, é preciso se controlar a cada instante, vigiar seus atos, falas e pensamentos, é preciso buscar equilíbrio em um solo que nunca viu algo parecido, é preciso lutar contra sua própria essência, é preciso vestir máscaras, armaduras, defesas, é preciso buscar saídas aceitas pelo mundo externo em meio a um caos descontrolado que é o mundo interno. E você nem sempre consegue... E cada pequena falha gera consequências terríveis.

É mais ou menos assim que eu me sinto.

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi sah, te enviei email... Pode me ajudar? Desde ja, agradeço!

Sáh disse...

email respondido ^^ Obrigada por avisar que mandou, se não tivesse avisado provavelmente demoraria para responder.

Abraços e estou aqui sempre que precisar.