"A vida é aquilo que você faz daquilo que te fizeram"

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Meu último post

Esse é meu último post nesse espaço. E eu estou tão feliz que esse seja meu último post. Durante anos aqui foi o lugar onde eu encontrei pessoas muito boas dispostas a me ouvir e compartilhar suas vivências comigo, foi muito bom poder desabafar aqui e ouvir também um pouquinho do desabafo de vocês, porém esse lugar não me representa mais. Como vocês podem ver, nos meus últimos posts eu tentei fazê-los entender que eu havia começado a me identificar como homem transgênero, então quem vos fala não é mais a Sabrina e sim o Samuel. Na verdade a Sabrina nunca existiu, não passou de uma máscara a qual eu criei e me escondi muito bem escondido. Eu sou um cara e estou cada dia mais feliz por ter me descoberto finalmente. O vazio no meu peito finalmente está preenchido... Os pequenos fatos na minha história finalmente se encaixam e fazem sentido. Estou feliz. E estou lutando para começar meu processo transexualizador. De qualquer jeito, eu até pensei em transformar o blog, junto com a minha transformação, (eu já estou bastante masculino, tanto que dificilmente alguém na rua percebe que eu nasci com o sexo feminino) porém recebi alguns comentários transfóbicos em algumas postagens e isso me desanimou totalmente. Se o público é transfóbico, então não há nada que eu possa fazer. Sinto muito, para vocês, que não aceitam o Samuel, a Sabrina morreu, esqueçam. Bem... E é por isso que decidi fechar o blog. Porém ele continuará no ar, com as lembranças de anos da minha difícil jornada para algum lugar, que acabou sendo para a transexualidade. Abraços, 
Samuel.

9 comentários:

brisonmattos disse...

pra mim, vai tarde.

Dibray disse...

Ridículo você @brisonmattos, nao tem mais o que fazer e vem despejar preconceito nos outros... Por isso o mundo não vai pra frente!

Anônimo disse...

torço pra que você não seja babaca como todos os caras que já foram babacas com você

Anônimo disse...

Vei, não para de escrever!!! Foda-se o que as pessoas pensam sobre você ou sobre as suas opiniões e qualquer outra coisa.
Você não me conhece, encontrei seu blog por acaso e bom, você escreve bem demais. Tipo, você gosta de escrever e eu to curtindo ler o que você escreve.
Pensa! Você ta deixando de fazer uma coisa que gosta porque outras pessoas não aceitam o que você é, o que você pensa. Não faz sentido. Quem quiser ler, vai ler. Quem não quiser ler, não vai. Quem não gostar te ofender, te encher o saco, que ofenda, que encha o saco. Vei... Foda-se. Não para de escrever.
Se você não quiser mais escrever aqui, não quiser levar o blog adiante... Então tudo bem... Pare, mas não por causa de quem não te aceita.

Madrona.

Anônimo disse...

Volta

Anônimo disse...

Realmente, você era minha ídola sah. Sabe, você não pode fugir do que você era. Uma hora isso volta a tona e você vai perceber, lhe garanto, e não, não fique com raiva você vai lembrar do que eu disse, eu sei disso. Lembro dos seus posts lá em 2012 e te achava uma diva, você me inspirou em uma parte importante da minha vida e me deixava melhor. Eu te admirava tanto que doia. É realmente uma pena que termine tudo assim, e você se entregou aos demônios que conseguiram te manipular, parabéns. "Sorte" nessa sua so called life. :)

minutica disse...

Saudades

minutica disse...

Saudades

Anônimo disse...

Extreme, unresolved rage issues toward Mother, can catalyze a Borderline's detachment from any/all aspects of femininity within the Self, and spawn bi- or homosexuality, transvestism or transgenderism and sexual reassignment surgeries. She may continue searching for an external solution to her despair and dissatisfaction.

SÓ TENHO ISSO A DIZER "SAMUEL", OBG DND.