"A vida é aquilo que você faz daquilo que te fizeram"

quarta-feira, 28 de março de 2012

De cabeça



É, eu sei. Não fazer isso, não fazer aquilo, não pensar nisso nem naquilo. É, eu sei. Começar tudo diferente dessa vez. É preciso mudar, mas acho que o meu problema é justamente que não paro de mudar a cada 5 minutos. Mais um começo, vamos lá, mais uma vez. Você mudou? Eu mudei? As pessoas realmente mudam? Eu não sei, não sei de nada. Devo tomar cuidado com minha personalidade dependente, devo tomar cuidado com um monte de coisas. Devo tomar cuidado com o que eu digo, com o que eu escrevo aqui, com o que eu deixo subentendido, com tudo. Não sei, não sei... Não sei o que fazer, como reagir, o que dizer, o que esperar, nada. Sinto como se estivesse pisando descalça em um chão feito de cacos de vidros. E está aí uma situação em que eu não quero me machucar... Tenho medo, muito medo. É difícil confiar nas pessoas, elas machucam, elas vão embora, elas fazem muita coisa. É, estou com medo agora.

O que você vai fazer? Quero todo o script em minhas mãos, quero prever seus movimentos, ler sua mente, ver pelos seus olhos. Não quero pouco, não quero nada superficial, quero muito, quero tudo. O exagero me vícia, o over, o pesado, o difícil de engolir, quero poder mergulhar de cabeça nisso, preciso disso porque o incerto é assustador de mais, é, quero me jogar de cabeça, saia da frente. Deus abençoe minha impulsividade, sem ela eu nunca sairia da cama de manhã. É, eu preciso me envolver, deixe que eu me envolva, sem pensar, sem dor, sem medo, sem nada, com tudo de mim. Não quero mais pensar, não quero medir meus movimentos, não quero nada me travando, nada me segurando, quero só deixar rolar, só parar por mais de um instante de me preocupar tanto. Quero poder fechar os olhos tranquila, quero sentir a vida correndo pelas minhas veias, quero ter um universo em minhas mãos e mais e mais.

É engraçado como eu já contemplei e desejei a morte tantas vezes, e como você já fugiu dela e a rejeitou igualmente tantas vezes. Ela me fascina, você a odeia. Mas admito, você é uma das poucas pessoas no mundo que me fascinam mais que a morte... Você é meu porto seguro. Não quero mentir só para parecer que eu não sou "dependente" de você, isso não é dependência, não, não é. Eu tinha todos os argumentos do mundo, a meu ver, para mostrar que isso significava se tornar dependente do parceiro e que isso era inaceitável, mas uma amiga minha pegou na minha mão e rebateu todos meus argumentos com um incontestável, brilhante e incrivelmente óbvio e lógico... E se eu gostar disso? E se para mim isso for importante? Porque eu tenho que fingir ser algo que não sou? Qual é o problema em eu ser assim, em eu querer ser assim? É... Qual o problema? Qual o grande problema em você ser meu porto seguro? Em eu querer viver ao seu lado porque você ilumina minha vida? É verdade... É verdade... Quando você segura minha mão, sorri para mim, sussurra em meu ouvido... A vida vale a pena, toda a luta que eu passei para chegar onde estou vale a pena. Afinal o que há de errado nisso? Queria te perguntar mais uma vez se eu posso confiar em você mais uma vez... Mas talvez o problema não esteja em você ser confiável ou não, é questão de eu confiar em mim mesma. Preciso confiar em mim mesma, preciso acreditar que aguento, que vou conseguir lidar com as dificuldade... No momento posso estar chorando de medo, mas tudo bem, é só o frio na barriga antes de se atirar em um penhasco, é só o primeiro passo, depois a única sensação que vai dominar minha mente é a de estar voando. Adoraria poder voar. Vamos, vamos, nunca tenho muita coisa a perder. Por que não? Certo? Certo.

2 comentários: